Administrador de banco de dados
Autoras: Ana Paula Mariano de Carvalho - Estagiária da GPS

Celeste Naoe Watanabe - Estagiária da GPS
Monica Mayumi Yamaue - Estagiária da GPS
 

1 INTRODUÇÃO

O crescimento na utilização da informática nos processos de gestão organizacional levou à constatação de que os dados, que são matéria-prima para informatização, constituem-se em um dos principais ativos de qualquer instituição. Esta percepção do dado como recurso corporativo traz a idéia de que estes precisam ser gerenciados. Esta idéia foi incorporada com várias abordagens, principalmente nas empresas que passaram a se utilizar de SGDB (Sistema Gerenciador de Banco de Dados).

2 DEFINIÇÃO

Segundo [GDP], administradores de bancos de dados são profissionais responsáveis pela criação, manutenção e segurança do banco de dados da empresa — programa que centraliza todas as informações relevantes da empresa. Os bancos de dados têm de ser projetados para atender aos objetivos da empresa e, portanto, variam muito de uma empresa para outra. Podem guardar informações como cadastros de clientes e de empregados, pesquisas com clientes, currículos de funcionários e candidatos, trabalhos publicados por professores ou pesquisadores. Dependendo do porte da empresa, ela pode ter vários bancos de dados administrados por diferentes profissionais.

Segundo [UCS], o administrador do banco de dados é a autoridade máxima para gerenciar um sistema de banco de dados. Ele possui uma conta privilegiada no SGBD, a qual permite que o administrador tenha direitos que não estão disponíveis para usuários comuns.

3 ATIVIDADES

Segundo [GDP], as atividades dos administradores de banco de dados incluem:

  • manter contato com funcionários e executivos da empresa para conhecer suas necessidades;

  • buscar os programas de banco de dados mais adequados às características da empresa; 

  • criar procedimentos de testes para garantir o perfeito funcionamento do banco de dados; 

  • criar modelos de busca, pesquisa e relatórios, de acordo com as necessidades dos usuários. 

4 DESCRIÇÃO DAS PRINCIPAIS TAREFAS DE UM DBA

Segundo [DBA], as principais tarefas desempenhadas pelo administrador de banco de dados estão descritas abaixo:

  • Definir o conteúdo de informações do banco de dados. O DBA deve decidir que informação manter no banco de dados, identificar as entidades de interesse da empresa e a informação a registrar em relação a esta entidade. Uma vez feito isso, o DBA deve então definir o conteúdo do banco de dados, descrevendo o esquema conceitual.

  • Definir a estrutura de armazenamento e a estratégia de acesso. O DBA também deve definir o design do banco de dados físico, ou seja, como os dados serão representados no banco de dados, e definir esta representação escrevendo a definição da estrutura de armazenamento. Também deverá definir o mapeamento associado entre os níveis interno e conceitual.

  • Servir de elo de ligação com os usuários, garantindo a disponibilidade dos dados que estes necessitam e preparar ou auxiliá-los na preparação dos esquemas externos necessitados.

  • Definir os controles de segurança e integridade. Os mesmos podem ser considerados parte do esquema conceitual. A DDL conceitual incluirá vários recursos para a especificação de tais controles, cabendo ao DBA fazer o uso dos recursos necessários.

  • Definir a estratégia de reserva e recuperação. A partir do momento que a empresa começa a basear-se em banco de dados, torna-se dependente do bom funcionamento desse sistema. Porém, eventualmente podem ocorrer danos ao banco de dados, causados por diversas formas como: erro humano, falha no hardware ou sistema operacional; É de suma importância fazer retornar os dados envolvidos com um mínimo de demora e com as menores conseqüências ao restante do sistema. A função do DBA é definir e implementar uma estratégia de recuperação apropriada, envolvendo, por exemplo, o descarregamento periódico do banco de dados na memória auxiliar de armazenamento e procedimentos para recuperação quando necessário.

  • Monitorar o desempenho. O DBA deve organizar o sistema de tal maneira que obtenha "o melhor desempenho para sua empresa" e efetuar os ajustes adequados quanto às necessidade de modificações.

5 MELHORIAS RESULTANTES DO CONTROLE CENTRAL DO DBA

Segundo [DBA], as melhorias que um controle central do administrador de banco de dados pode fornecer são:

  • Redução da redundância. A redundância pode ser definida como o armazenamento de dados idênticos em um mesmo banco de dados, ocasionando o desperdício de espaço de armazenamento, inconsistência e quedas no desempenho.

  • Compartilhamento dos dados. Aplicações existentes podem compartilhar os dados do banco de dados e novas aplicações podem ser desenvolvidas para operar sobre os mesmos dados armazenados. As necessidades de dados das novas aplicações podem ser satisfeitas sem a criação de quaisquer dados adicionais armazenados.

  • Padronização de formatos. O DBA, detendo controle central do banco de dados, pode assegurar que todos os padrões aplicáveis serão observados na representação dos dados. Os padrões aplicáveis podem incluir um ou todos, mencionados a seguir: padrões de instalações, departamentos, indústrias, padrões nacionais e internacionais. Esta padronização é importante para facilitar o intercâmbio dos dados ou a migração dos dados entre sistemas.

  • Aplicação de restrições de segurança. O DBA, detendo toda a autoridade sobre os dados operacionais.

  • Assegurar que os únicos meios de acesso ao banco de dados sejam realizados através de certos canais.

  • Definir os controles de segurança a adotar, sempre que for empreendido o acesso a determinados dados especiais.

  • Estabelecer diferentes controles para cada tipo de acesso (recuperação, modificação) e para cada parte da informação do banco de dados.

  • Integridade dos dados. O problema da integridade é assegurar que os dados do banco de dados sejam corretos. A inconsistência entre duas entradas que pretendem representar um mesmo "dado" é um exemplo de falta de integridade. Este problema pode ocorrer se houver redundância nos dados armazenados. Entretanto, mesmo que ela não exista, o banco de dados ainda pode conter uma informação incorreta. Por exemplo, um funcionário que pertence a um departamento que não existe. O controle centralizado do banco de dados evita tais problemas, pois permite que o DBA defina controle de integridade usando a DCL.

  • Independência dos dados. A independência dos dados pode ser definida como a imunidade das aplicações à estrutura de armazenamento e a estratégia de acesso. Isto é, as aplicações em foco não dependem de qualquer estrutura de armazenamento ou estratégia de acesso. Citamos alguns exemplos dos tipos de transformações de um banco de dados armazenado e que exigem uma independência precisa dos dados:

  • Mudança da localização física dos dados.

  • Conversão de valores de campos armazenados de um tipo para outro.

  • Substituição de um algoritmo arbitrário por outro.

  • Adição de índices.

  • Duplicação de dados armazenados.

  • Divisão de um registro armazenado em dois.

  • Combinação de dois registros armazenados em um.

6 CONDIÇÕES DE TRABALHO

Segundo[GDP],administradores de bancos de dados trabalham em escritórios refrigerados.

Bancos de dados contêm informações fundamentais para o cotidiano da empresa. Em casos de pane, não têm hora para voltar para casa. Como ficam muito tempo sentados diante de telas de computador, podem enfrentar problemas de visão, circulação, postura e sofrer lesões por esforço repetitivo, como tendinites.

7 CARACTERÍSTICAS PESSOAIS

Segundo [GDP], as características são: autocontrole; capacidade de análise; capacidade de comunicação; capacidade de decisão; capacidade de liderança; capacidade de organização; capacidade de pensar e agir sob pressão; capacidade de resolver problemas práticos; dinamismo; facilidade para matemática; habilidade para trabalhar em equipe; interesse por computadores; interesse por novas técnicas e tecnologias; paciência; perseverança; raciocínio lógico desenvolvido; raciocínio rápido.

8 QUALIFICAÇÃO REQUERIDA

Segundo [GDP], para ser administrador de bancos de dados é necessário curso superior em ciências da computação, informática, matemática ou engenharia, com domínio de programas de banco de dados.

Domínio do inglês é indispensável.

9 MERCADO DE TRABALHO E PERSPECTIVAS

Segundo [GDP], o mercado de trabalho para profissionais que tenham conhecimento e  experiência nas áreas de informática e comunicação de dados  está em franca expansão. Administradores de rede e de bancos de dados são indispensáveis nas empresas de portes médio e grande que trabalham com sistemas em rede e em ambiente informatizado, nas áreas de prestação de serviços, indústria e comércio, em geral sediadas nos grandes centros urbanos. Há muita oferta de empregos e os profissionais qualificados são disputados entre as empresas.

10 REMUNERAÇÃO

Segundo [GDP], administradores de banco de dados ganham de R$3.000 a R$5.000, conforme sua experiência, o porte e o ramo da empresa em que trabalham. 

11 ADMINISTRADOR DE BANCO DE DADOS PARA WEB

Segundo [INF], o DBA, administrador  de banco de dados, sempre foi considerado um profissional caro às empresas. Caro nos dois sentidos do termo: ele custa um preço alto e é visto pelas companhias como indispensável. Com a Internet e a onda crescente de comércio eletrônico, os especialistas em banco de dados voltados para web tornaram-se mais do que profissionais caros: sem eles, desista! Isso porque os grandes portais estão cada vez mais amarrados a pesados bancos de dados. "Os sites são totalmente dependentes da base de dados e hoje há uma carência de bons profissionais para modelagem", afirma Abel Reis, vice-presidente da Agência Click, empresa especializada em publicidade na web e projetos de comércio eletrônico.

Com a Internet, o banco de dados se transformou num poderoso servidor de aplicações de arquivos. Ele já fala java e outras linguagens de web. Agora, além de guardar e gerenciar um volume imenso de dados, esses softwares permitem que os dados sejam acessados a partir de um browser.

O DBA que quer voltar sua carreira para a Internet precisa focar o aprendizado nas linguagens que permitem fazer com que os dados possam ser acessados a partir de um clique. Para isso, ele precisa saber lidar com linguagens novas, como o PHP e o ASP, e com outras não tão novas, como SQL e seus derivados, o PL/SQL e o MySQL. Isso no servidor. No lado cliente, o DBA tem de enfrentar o HTML e o JavaScript. 

REFERÊNCIAS

[GDP] ADMINISTRADORES de rede e administradores de banco de dados. Disponível em: http://www.guiadeprofissoes.globo.com. Acesso em: 25 maio 2001.

[DBA] BROGNOLI, A. Administração de banco de dados. Disponível em: 
http://www.dba.hpg.com.br/tcc/Cap3.htm. Acesso em: 28 maio. 2001. Projeto de conclusão de curso.

[UCS] FRIGERI, S. R. O administrador de banco de dados. Disponível em: http://www.ucs.br/ formacao/Ferramentas/pesquisacaxias/seguranca/adm.htm. Acesso em: 01 jun. 2001.

[INF] MILITELLO, K. Administrador de banco de dados para web. Info Exame, São Paulo, ano 15, n. 167, p. 39 - 40, fev./2000.

Recomendar esta página via e-mail: